FÍSICA SEM EDUCAÇÃO

A única maneira de fazer o Brasil progredir é com educação, informação e caráter.

domingo, 15 de março de 2015

Hologramas pessoais


                                      Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=wm2e-gQ2sVE

Um dos meus alunos, do segundo ano do ensino médio, me interrogou sobre um show de Michael Jackson feito após a sua morte, através de hologramas, queria saber como havia sido feito. Confesso que a princípio não soube explicar. Bom, nem preciso dizer que comecei a pesquisar para esclarecê-lo melhor, visto que também é seu conteúdo de segundo ano (óptica). Procurei por alguns professores na USP, pois como participo do programa USP Escola aos sábados, seria mais fácil um professor de lá de dentro. Depois de muitas investigações encontrei um professor que tinha em uma de suas teses de pós graduação falando sobre isso, mandei um email e ele prontamente me respondeu, o que fiquei muito feliz. Marcamos um encontro.


Chegando a sala dele me deparei com um professor encantador! Eduardo George Khamis se prontificou a responder todas as minhas dúvidas. Curiosa com seu estado, numa cadeira de rodas, resolvi deixar a física um pouco de lado e saber mais sobre sua história. O que mais me impressionou foi sua simpatia e boa vontade para responder perguntas inclusive pessoais. O doutor Eduardo Khamis hoje com 43 anos, com pós doutorado pela USP atua numa área da física que, apesar de não ser muito conhecida e divulgada (como muitas pesquisas da área) não deixa de ser fundamental em muitas áreas, além de shows holográficos.

Sua adolescência foi comum, estudou num dos colégios mais conceituados de São Paulo, o que lhe facilitou o seu ingresso numa das maiores universidades da América Latina, apesar de ter prestado seu primeiro vestibular em engenharia sem sucesso.

Mesmo tendo que trabalhar, o que não sobrava muito tempo para o cursinho e estudos, conseguiu entrar na área de física. Apesar de ter pensado, em início, em se especializar na astronomia, a vida lhe deu outro rumo.

No terceiro semestre de física sofreu um acidente gravíssimo, o que fez com que se afastasse da universidade por muitos meses. Quando retornou foi bem complicado, pois ainda tinha muitas limitações. Apesar disso nunca desistiu do seu sonho. Conta, com ironia, que reprovou várias vezes numa matéria e estava até com vergonha de frequentar as aulas e olhar na cara da professora, mesmo assim insistiu.

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=dVHP7Nhsn4E


 Denis Gabor, que deu início ao laser, foi sua inspiração para que entrasse na área de ótica e posteriormente fizesse sua tese em holografia. O mais fascinante é a maneira como relatou os fatos, de forma simplista, em nenhum momento se colocou na condição de vítima ou se lamentou pelo o que aconteceu, o que deixa uma lição de moral a todos  que por alguns percalços da vida desistem do seu sonho. Sinceramente, o doutor Eduardo é uma inspiração para todos os jovens que, apesar de todas as oportunidades sendo dadas desistem.






quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Professores vamos nos unir!





Diante de tudo o que vem acontecendo na educação durante todos esses anos percebi que as medidas que vem sendo feitas não andam resolvendo e, para falar a verdade, nem querem que ela se resolva. Diante disso resolvi criar um abaixo assinado, para que seja apresentado junto ao Ministério Público e esse realmente nos represente.


Abaixo segue o link do evento criado numa página do Facebook. Participe e compartilhe! Vamos nos unir para a construção de uma país melhor, a educação.

Clique aqui

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Educação Pública no Brasil - prof. Otaviano Helene





No começo do mês estive em um encontro na USP, o 9° Encontro USP Escola, que foi maravilhoso. Uma das palestras que mais me chamou a atenção, foi a do prof. Otaviano Helene sobre a educação pública. Ele fala sobre os escassos recurso da educação e esclarece muitos pontos bem interessantes. Gostaria de compartilhar com todos essa palestra.


 Acessem o link

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Projeto: A Física no Skate

A física do skate



O skate surgiu na década de 60, na Califórnia. Como os surfistas ficavam frustrados por não haver ondas no mar decidiram surfar em terra firme, assim, ao invés de usarem patins, colocaram rodas em “pranchas”, obviamente elas teriam que ser bem menores.

Naquela época os skates não tinham nose (do inglês, nariz que significa a frente do skate) e tail (que significa rabo, o fundo modificado do skate) e aí a coisa estourou. Em 1965 foram criadas pistas e revistas especializadas no esporte.

Na década de 70 houve uma revolução. Devido ao racionamento de água nos Estados Unidos, os donos de piscina tiveram que esvaziá-las e com a formação de gelo no inverno foi uma ótima oportunidade para que os skatistas aproveitassem para realizarem suas manobras.
Nos anos 80 aconteceu uma nova revolução no ramo do skate e dessa vez uma revolução científica. Quando o engenheiro Frank Nashworth criou a roda de uretano, que é mais aderente e silenciosa, com isso os skates passaram a invadir também as casas.

A partir daí surgiram os grandes nomes do skate: Tony Hawk, Steve Caballero, Tony Sims entre outros, mas foi nos anos 90 que surgiu Bob Burnsquist, que foi o idealizador da Megarampa. Construída em São Paulo. Se não conhece acesse aqui http://fisicamoderna.blog.uol.com.br/arch2008-11-23_2008-11-29.html








Física e skate tudo a ver
Foto: http://sk8naveiaa.blogspot.com.br/

Bibliografia:file:///C:/Users/user/Documents/a%20f%C3%ADsica%20do%20skate.pdf


domingo, 21 de dezembro de 2014

Aonde está a ética na ciência? Dentro da arca de Noé?




Tenho me perguntado isso nos últimos dias, quando tive conhecimento de alguns fatos. Como professora do estado tento ensinar aos meus alunos o conceito de ética, a tanto já esquecido, e pior, esquecido por pessoas que deveriam, por obrigação, ser exemplo dela. Deixo com vocês a postagem do professor Adonai Sant'Anna, que já fomos parceiros em uma postagem anterior sobre uma denúncia sobre o SARESP. Boa leitura!

Clique aqui para ter acesso ao texto


Aproveitando, deixo um texto que publicado hoje, dia 21/12/14, no jornal Folha de São Paulo, sobre o assunto para quem quiser se aprofundar e o grupo do Universo Racionalista  convidou o Doutor Marcos Eberlin, principal mentor do Design Inteligente, para um hangout que promete estrear em janeiro. Não podemos perder!



"A caixa-preta do design inteligente
Por Maurício Tuffani
21/12/14 03:33

O movimento negacionista da teoria da evolução de Charles Darwin (1809-1892) voltou a ser notícia recentemente ao realizar em Campinas (SP) o 1º Congresso Brasileiro do Design Inteligente. Há poucos dias, organizadores desse evento contestaram um manifesto em defesa da evolução de professores e pós-graduandos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Essa tréplica foi noticiada na quinta-feira (18.dez) por meu colega Reinaldo Lopes em seu blog “Darwin e Deus”.

Diferentemente do criacionismo tradicional, a teoria do design inteligente (TDI) não é baseada na interpretação literal bíblica sobre a criação do mundo e dos seres vivos. Não há entre os cientistas adeptos dessa teoria partidários da ideia de que o universo existe há menos de 6 mil anos.

Os adeptos da TDI alegam que a evolução por meio da seleção natural é uma teoria em crise porque que não consegue explicar diversas etapas da transformação dos seres vivos a partir de primitivos compostos orgânicos, há centenas de milhões de anos. A única explicação possível para essas lacunas, segundo a TDI, é a de que etapas cruciais dessas transformações resultaram da interferência de uma instância inteligente.

Na TDI não há sugestões de modelos explicativos para superar o alcance da teoria da evolução (TE). As inovações propostas pelo design inteligente são conceitos destinados a apontar limites da seleção natural. Exceto por sua postulação sobrenatural, a TDI não tem referenciais próprios, mas somente da teoria que pretende substituir. Sua agenda é reativa, pautada pela negatividade e sem um foco concreto na ampliação do conhecimento.

O design

Ao questionar o modelo darwinista, os adeptos da TDI afirmam que os avanços da bioquímica a partir dos anos 1950 revelaram que a origem da vida envolveu transformações complexas e impossíveis de terem sido realizadas sem a interferência externa de uma atividade inteligente. Eles chamam essa intervenção de planejamento ou design inteligente.

Em seu livro de 1996, o bioquímico Michael Behe, da Universidade Lehigh, nos estados Unidos, um dos principais defensores dessa teoria, afirmou:

“A necessidade de controle é óbvia no caso das máquinas que usamos na vida diária. Uma serra que não pudesse ser desligada seria um grande perigo, e um carro sem freios tampouco teria utilidade. Sistemas bioquímicos também são máquinas que usamos na vida diária (quer pensemos nelas ou não) e também têm de ser controladas.”
(Michael Behe, “A Caixa-Preta de Darwin: O desafio da bioquímica à teoria da evolução”, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, 1997, pág. 161)

Em sua resposta ao manifesto da UFRGS, os adeptos brasileiros da TDI, liderados pelo químico Marcos Eberlin, da Unicamp, destacaram, mas sem justificar devidamente com referências, que as chances para a origem da vida na Terra há centenas de milhões de anos teriam sido de uma para um número representado pelo algarismo “1” seguido por 10.123 zeros (1/1010123).

Em 29 de abril de 2010, em sua palestra de encerramento do 3º Seminário Internacional Darwinismo Hoje, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, Eberlin mostrou uma probabilidade maior, que seria de um quociente com 195 zeros (1/10195), mas alegando que ela não seria alcançada nem mesmo por todos os recursos probabilísticos do universo.

Refutações

Ao se contrapor à TDI e até mesmo ao criacionismo bíblico, evolucionistas muitas vezes incorreram em graves erros do ponto de vista epistemológico e até mesmo do lógico. A principal bobeada tem sido a afirmação de que a seleção natural é “cientificamente comprovada”.

Na epistemologia, até mesmo aqueles que não simpatizam com o trabalho do filósofo da ciência austríaco Karl Popper (1902-1994) reconhecem a demolição por esse pensador da crença cientificista de que uma teoria pode ser provada. Seu clássico “A Lógica da Pesquisa Científica”, de 1934, deixou definitivamente claro que uma teoria pode ser corroborada por observações e experimentações —ou seja, sobreviver à confrontação empírica— ou refutada por elas, mas nunca pode ser comprovada.

Popper, no entanto, não era um refutacionista ingênuo. Assim como outros estudiosos da epistemologia desde essa sua obra, ele sabia que do ponto de vista prático é razoável admitir explicações casuístas (“ad-hoc”) para anomalias, de modo a preservar as teorias, principalmente na falta de alternativas para substituição.

Essa opção pela preservação da teoria em face de anomalias é ressaltada por muitos adeptos da TDI ao se insurgirem contra o darwinismo, como mostra a citada resposta de seus adeptos brasileiros ao manifesto da UFRGS:

“(…) poderíamos mencionar aqui quase uma centena de artigos científicos, de renomados e abalizados cientistas evolucionistas, questionando a robustez de alguns aspectos fundamentais da TE no contexto de justificação teórica e que apontam para outra direção.”

Paradigmas

É com base nesse ponto que alguns defensores da TDI têm invocado o trabalho do físico teórico e historiador da ciência norte-americano Thomas Kuhn (1922-1996). Em seu livro “A Estrutura das Revoluções Científicas”, de 1962, esse autor mostrou porque nem sempre a confrontação empírica é decisiva na preservação ou substituição de teorias.

Kuhn estabeleceu o conceito de “paradigmas”, que são compromissos conceituais, metodológicos e instrumentais compartilhados pelos membros de uma especialidade científica durante um determinado período. Um paradigma, diz Kuhn, dirige a pesquisa científica para a articulação dos fenômenos já definidos por ele e reforçados pela educação profissional. Segundo o autor:

“A ciência normal não tem como objetivo trazer à tona novas espécies de fenômenos; na verdade, aqueles que não se ajustam aos limites do paradigma freqüentemente nem são vistos”.
(Thomas Kuhn, “A Estrutura das Revoluções Científicas”, Editora Perspectiva, São Paulo, 1982, pág. 45)

Afirmações como essa têm sido aproveitadas por defensores da TDI, para os quais revisões críticas dentro do próprio darwinismo deveriam levar a refutações à TE. Esta, no entanto, segundo os antievolucionistas, conseguiria prevalecer por ser amplamente majoritária nas universidades e instituições de pesquisa. Como afirmou Behe em seu livro já citado,

“Muitas pessoas, inclusive importantes e renomados cientistas, simplesmente não querem que um ser sobrenatural afete a natureza, por mais curta ou criativa que essa intervenção tenha sido.”
(Behe, “A Caixa-Preta de Darwin”, pág. 245).

Zona de conforto

Lamentavelmente, grande parte dos pesquisadores evolucionistas jamais se dispôs a responder às críticas de adeptos da TDI. Certos de conseguirem manter as publicações acadêmicas praticamente imunes à apresentação e à aceitação de artigos contrários à TE, muitos cientistas têm optado por ignorar essas contestações.

Na imprensa, por sua vez, muitos jornalistas e editores de ciência não têm dado espaço para abordagens sobre o assunto, seja pela escassez de artigos devidamente avalizados sobre a TDI, seja por considerarem essa teoria como um criacionismo disfarçado de ciência.

No caso dos argumentos epistemológicos, essa indisposição para o debate foi ainda maior, menos movida pela indiferença provida da zona de conforto do que pelo fato de que lógica e filosofia da ciência geralmente não são disciplinas prioritárias na formação de cientistas.

Assombrações

De um modo geral, as manifestações acadêmicas sobre a TDI têm ocorrido sob a forma de documentos coletivos de entidades científicas ou de grupos de pesquisadores, como foi o caso do posicionamento na UFGRS. Em que pese a pertinência de argumentos apresentados, esse procedimento tem sido pouco eficiente para promover um debate sobre o assunto. Para a maioria tem servido muito mais como uma forma de recusa de debate. Felizmente também têm surgido blogs ou redes sociais de evolucionistas com boas contribuições, mas com alcance restrito.

Com essas e outras, o fantasma criacionista empurrado pela academia e pela imprensa para dentro do armário tem conseguido muitas vezes explorar o vazio deixado na opinião pública por cientistas e jornalistas.

Contra essas assombrações, os poucos antídotos disponíveis de maior alcance mais recentes têm sido alguns livros de divulgadores da ciência como “Deus, um Delírio” (2006), do geneticista britânico Richard Dawkins, e “Quebrando o Encanto” (2006), do filósofo da ciência e neurocientista norte-americano Daniel Dennett, e a série de televisão “Cosmos: Uma odisseia no tempo”, do astrônomo norte-americano Neil deGrasse Tyson e remake de “Cosmos: Uma viagem pessoal”, de 1980, idealizada e apresentada pelo astrônomo Carl Sagan (1934-1996).

Falácias

Na verdade, o apelo aos clássicos da epistemologia em favor da TDI só é possível por meio de falácias, a começar pela incompatibilidade com a proposta do planejador inteligente como axioma não só para a biologia, mas também para a paleontologia, a bioquímica e outras áreas associadas à evolução. Como exemplo dessa formulação, recorrerei novamente a Michael Behe, que é um dos defensores dessa teoria menos enfáticos no proselitismo religioso.

“Há um elefante em uma sala cheia de cientistas que tentam explicar o aparecimento da vida. O elefante é rotulado de ‘planejamento inteligente’. Para uma pessoa que não se sente obrigada a restringir sua busca a causas não-inteligentes, a conclusão óbvia é que muitos sistemas bioquímicos foram planejados. Eles foram desenhados não por leis da natureza, pelo acaso ou pela necessidade; na verdade, foram planejados. O planejador sabia que aparência os sistemas teriam quando completos, e tomou medidas para torna-los realidade em seguida. A vida na Terra, em seu nível mais fundamental, em seus componentes mais importantes, é produto de atividade inteligente.”
(Behe, “A Caixa-Preta de Darwin”, pág. 195)

Além de não apresentar um modelo explicativo alternativo ao mecanismo da seleção natural, essa postulação gera graves implicações não só em seus aspectos epistemológicos, mas até mesmo do ponto de vista lógico.

Sem confrontação

A ser aceita como verdadeira a hipótese de uma “mente inteligente” condutora da transformação dos seres vivos, e adotada como princípio fundamental para a TDI, essa teoria se torna ambiguamente capaz de deduzir não só uma predição expressa por um enunciado A como também seu contraditório não-A.

Embora espera-se que os adeptos do design inteligente não se atrevam a cometer o disparate de realizar deduções desse tipo, a simples contaminação da TDI por essa possibilidade impede essa teoria de ser confrontada empiricamente por meio de observações ou experimentos.

Em outras palavras, as inferências ou deduções a partir do axioma central da TDI não poderão ter conteúdo empírico, ou melhor, não atenderão ao requisito da falseabilidade, formulado por Popper como critério de demarcação entre as ciências empíricas e outras formas de conhecimento. Tudo estará subordinado à vontade de uma “mente inteligente” capaz de direcionar as mutações para qualquer direção que se queira, seja pela vontade do designer sobrenatural ou da conveniência de seus criadores mundanos.

Teoria estéril

A falta de um modelo explicativo que seja uma alternativa à seleção natural é uma omissão muito mais grave que as lacunas dos registros fósseis ou as faltas de explicações para determinadas transições evolutivas.

No final das contas, as principais formulações teóricas dos proponentes da TDI são muito mais objeções à TE. É o caso, por exemplo, do conceito de complexidade irredutível, descrito por Behe:

“Com irredutivelmente complexo quero dizer um sistema único composto de várias partes compatíveis que interagem entre si e que contribuem para sua função básica, caso em que a remoção de uma das partes faria com que o sistema deixasse de funcionar de forma eficiente.”
(Behe, “A Caixa-Preta de Darwin”, pág. 48)

Em outras palavras, o conceito de sistema irredutivelmente complexo serve para definir o que não poderia ser explicado pela seleção natural. Embora o próprio Behe admita em seu livro que nem tudo o que não tem explicação não pode ser considerado impossível de vir a ser explicado (pág. 179), o autor lamentavelmente formulou esse conceito que a priori rejeita a possibilidade de virem a serem formuladas explicações evolutivas para esses sistemas a partir de outras estruturas.

Desse modo, no conceito de complexidade irredutível há uma boa dose de aposta naquilo que os lógicos chamam de falácia do “argumentum ad ignorantiam”, o qual, trocando em miúdos, equivale à afirmação de que se não conheço uma coisa, ela não existe.

Em que pesem as críticas a Michael Behe, é preciso reconhecer que ele e alguns proponentes da TDI têm se mantido distantes da militância obscurantista de criacionistas bíblicos e suas instituições. Infelizmente, esses bons exemplos de independência não têm sido seguidos por todos adeptos do design inteligente. Boa parte deles parece muitas vezes apostar nas mesmas ingerências religiosas espúrias no plano da ciência que foram fomentadas e acirradas desde a primeira metade do século 20.

Acirramento

Os apelos de adeptos da TDI à obra de Thomas Kuhn começaram como argumentos em favor da mudança paradigmática por meio do reconhecimento dessa teoria pela academia. No entanto, isso não seria possível mesmo que houvesse na TDI um modelo explicativo alternativo à seleção natural e não se fundamentasse em um axioma incompatível com a falseabilidade. Na verdade, a teoria de Kuhn não formula nenhuma obrigação de substituição de um paradigma por outro mais novo. Segundo esse pensador,

“A competição entre segmentos da comunidade científica é o único processo histórico que realmente resulta na rejeição de uma teoria ou na adoção de outra.”
(Kuhn, “A Estrutura das Revoluções Científicas”, pág. 27)

No entanto, os apelos de adeptos do design inteligente ao pensamento de Kuhn já passaram há algum tempo para outra linha de ação, que é a da desqualificação dos seus contrários. Ou seja, a obra desse autor passou a ser invocada para culpar a academia por não reconhecer a TDI e por não serem aceitos pelos periódicos de prestígio os artigos baseados nessa teoria. É uma afronta ao pensamento de Kuhn sua obra servir como álibi para a precariedade epistêmica do design inteligente.

Na verdade, a TDI tem dado razões de sobra para ser rejeitada pela academia, seja pelo envolvimento com as hostes do criacionismo bíblico, seja por sua precariedade epistêmica. Essa fragilidade se deve não só a seu fundamento sobrenatural e avesso à confrontação empírica, mas também à falta de modelos explicativos e a seus conceitos destinados apenas a negar a evolução.

Longe de ter seu foco na ampliação do conhecimento, a agenda da TDI é reativa e referenciada na teoria que pretende demolir. Essa agenda de orientação negativa é a verdadeira caixa-preta do design inteligente."